(in)devido lugar

domingo, 4 de janeiro de 2009

Tudo permanece em seu (in)devido lugar.
As coisas parecem estar certas,
Então por que tudo parece tão diferente?

Estranho meus antigos costumes,
como se não os conhecesse,
interrogo a mim mesma,
cheia de dúvidas sobre o que há.

Mas afinal, o que há?
Não compreendo mais o que me rodeia,
não compreende nem a mim.

Tudo parece diferente,
mas nada mudou,
nada.
E isso ultrapassa meu compreender.
(?)

5 comentários:

Ananda disse...

aprendi a não tentar intender nada e sim viver para quem sabe um dia intender.



http://opniaoinutil.blogspot.com/

Kamilla disse...

muiiito interessante!!!

a.fê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
anna disse...

Lendo, me veio a cabeça uma frase de Lispector "viver, ultrapassa qualquer entendimento".
Procuro sempre compreender, entender, pra tentar aceitar, mas é meio que impossível faze-lo por completo, então contento-me em viver. Belos versos, gostei daqui,voltarei.

A propósito,obrigada pelo comentário em meu blog.

BiahH_TrixX disse...

"Não compreendo mais o que me rodeia,
não compreende nem a mim."

Parece que leu minha mente.

;*